Guia – Tamanhos de bikes de BMX Racing

Guia – Tamanhos de bikes de BMX Racing

3 de setembro de 2020 0 Por bikekidsbrasil

Seu filho vai competir no BMX Racing. Veja aqui as dicas para escolher a bike do tamanho ideal. Mas já fique sabendo, você vai trocar de componentes várias vezes ao longo do crescimento dele.

No começo do bicicross, e durante alguns anos, a maioria das bicicletas BMX era basicamente do mesmo tamanho. Quem fosse andar, teria de se adaptar ao que tinha disponível. Mas, à medida que o esporte progrediu, as bikes de Racing foram modificadas e uma gama de opções de tamanhos foi surgindo. Hoje, temos bicicletas específicas para cada idade e altura. Desde a Micro Mini com rodas de 18 polegadas até a Pro aro 20 com alguns XXXX antes do L. Isso sem falar na bike Cruiser com aros 24”.

A primeira coisa que temos que ter em mente é que para a prática de BMX Racing, não estamos buscando conforto e sim desempenho.

Mas como achar a bike correta? A primeira coisa que temos que ter em mente é que para a prática de BMX Racing, não estamos buscando conforto e sim desempenho. Outro ponto se refere ao fato das bikes de bicicross serem as que mais têm variáveis com relação ao tamanho do biker. Aqui, além da medida dos aros (que é até pouco relevante já que a grande maioria possui aro 20), teremos diferentes tamanhos de quadros, mesa, guidão e pedivela.

Partindo do básico
O ponto inicial para ter a bike de Racing perfeita para sua criança é definir o modelo de quadro. As variações são definidas por nomes de acordo com o tamanho. A sequência do menor para o maior é Micro, Mini, Júnior, Expert e Expert XL. Depois ainda temos as Pro que, como são recomendadas para idades acima de 13 anos, não vamos entrar em detalhes. A principal mudança destes modelos é o tamanho do top tube (tubo superior que liga a caixa de direção ao tudo do canote). Assim, temos:

Ajuste fino
Definida a medida do quadro, podemos passar para a definição ideal dos tamanhos de alguns componentes da bicicleta.

O guidão pode variar a largura e a altura (chamado de rise). Apesar de mais raro, também é possível encontrar variações da curvatura, tanto na vertical (upsweep) como horizontalmente (backsweep). A mesa ou suporte de guidão tem variações na altura e, principalmente, no comprimento.

O pedivela é outro ponto crucial no desempenho da pedalada da criança. Normalmente, o que faz a diferença é o tamanho da perna do pequeno biker. Em geral, a regra é usar o maior pedivela possível sem que o piloto tenha que ‘rebolar’ em cima da bicicleta para conseguir girar o pedal. Essa ‘regra’ é interessante, pois, quanto maior o pedivela, maior a alavanca da pedalada o que possibilita o uso de relações mais pesadas.

Como você pode ver, as variáveis são muitas. Mas, você poderá observar seu filho e, naturalmente, vai ajustando a bike para as necessidades e preferências dele. O olhar mais atento de um técnico específico da modalidade vai reduzir bastante este tempo de adaptação.